Política

‘O governo tem a política de envenenar o povo’, diz deputado

Fonte: Tribuna da Bahia

A isenção de impostos para a compra de agrotóxicos no Brasil foi duramente criticada pelo deputado federal Valmir Assunção (PT) durante pronunciamento na Câmara dos Deputados. Assunção aponta que o governo de Bolsonaro (sem partido) “cria medidas absurdas e seletivas”.

“Não é novidade para ninguém que este governo tem a política de envenenar o povo brasileiro. O número de agrotóxicos liberados para o uso em lavouras em 2019 é o maior dos últimos 10 anos. São mais de 500 tipos de venenos liberados, muitos deles proibidos na União Europeia por serem altamente tóxicos, seja para a vida humana, seja para o meio ambiente.

Outros ainda contam com a isenção de impostos, ou seja: envenena-se a produção agrícola e ainda pagamos por isso”, dispara Valmir.

Nesta semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) adiou o julgamento de uma ação que questiona a isenção de impostos estadual e federal sobre os agrotóxicos.

O petista ainda frisa que, com faturamento estimado em 2017 de US$8,9 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Defensivos Genéricos, 2018, isso correspondente a atuais R$ 37,55 bilhões e o setor deixa de destinar significativas quantias ao poder público brasileiro e eleva, ao máximo, a possibilidades de lucro.

Um estudo publicado na revista Saúde Pública, de autoria de Wagner Soares e Marcelo Firpo de Souza Porto, revela, ao levar em conta os dados do censo agropecuário de 2017, que, na Bahia, a desoneração fiscal com Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) sobre agrotóxicos em 2017 foi de R$ 454,48 milhões.

“Só na Bahia, deixamos de arrecadar mais que todo o orçamento que o governo Bolsonaro destina para o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária [Pronera]. Trata-se de quase 30% do orçamento da saúde em meu estado [28,12%], levando também em conta os dados de 2017. Não há nenhuma justificativa para esta isenção. Não me venham os ruralistas com o argumento do preço de alimentos, porque quem produz alimento não é o agronegócio. Já está mais que provado que, com incentivo público, a produção de alimento pode ser saudável, sem agrotóxicos e de fácil acesso à população. O cerne da questão está no modelo de agricultura, que prioriza a produção de commodities e não a saúde da população”, completa Valmir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar