ColunasEntretenimento

Especialistas alertam para consumo moderado no Dia Mundial do Chocolate

A Tarde

Apreciado e consumido no mundo inteiro, o chocolate já faz parte do dia-a-dia dos brasileiros há muito tempo. De acordo com uma estimativa da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab), o consumo em 2019 no Brasil foi de 749 mil toneladas de chocolate. Com tanto destaque, o produto ganha seu próprio Dia Mundial, celebrado nesta terça-feira, 7.

A data marca a chegada do chocolate à Europa, ainda no século 15. Contudo, existem relatos de que, na realidade, os Maias e os Astecas foram os pioneiros no cultivo do cacau, matéria-prima que dá origem à iguaria.”

Um chocolate de boa qualidade tem na sua composição apenas o cacau, manteiga do cacau e, a depender da porcentagem, a adição de açúcarIzabela Dias, nutricionista

Independente da sua origem, trata-se de um elemento importante para a economia brasileira. Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o país ocupa a sétima posição na produção mundial de cacau, movimentando R$ 20 bilhões no território nacional.

Incluída neste mercado, a gerente da Casa Bauducco em Salvador, Maíra Sanches, mantém a venda de chocolate como única fonte de renda.

Maíra inaugurou a Casa Bauducco em setembro de 2019, no Shopping da Bahia, sendo a primeira franquia do Nordeste. Segundo a gerente do estabelecimento, a variedade de possibilidades e o prazer que as pessoas têm pelo chocolate fazem com que a venda de produtos derivados do cacau seja considerada um bom negócio.

“Desde 2019, vendemos diversos produtos que são feitos com chocolate. Fatia de chocotone com gotas de chocolate, brownie, pão de mel, palmier coberto com chocolate, biscoitos amanteigados com chocolate e o chocolate quente com avelã, sucesso da casa”, comenta Maíra.

Porém, o chocolate também se mostra um produto que pode se tornar uma fonte de renda para os pequenos empreendedores, que produzem e vendem nas suas casas. Como o caso de Camile Issa, dona da Issa Chocolates. Camile vende diversos tipos de chocolates, tanto para Salvador quanto para região metropolitana, e começou a empresa ao perceber que outras pessoas tinham a mesma paixão pela iguaria.

“Sou chocólatra, apaixonada demais por um docinho, e minha primeira experiência foi fazendo para consumo próprio. Após algum tempo, e com a aprovação da minha família, passei a vender”, explica Camile.

Segundo a dona do Issa Chocolates, mesmo vendendo durante todo o ano, a Páscoa ainda é o período em que as vendas aumentam, fato que ocorreu mesmo durante a pandemia do novo coronavírus.

Excesso e saúde

Apesar de ter diversos benefícios para saúde, o consumo do chocolate, se feito em excesso, pode trazer, também, diversos malefícios. Isso faz com que os chocólatras, como são conhecidos os apaixonados por chocolate, precisem ficar atentos à quantidade do produto que consomem e quais estão consumindo.

A chocólatra Cleane Lima é uma dessas pessoas que não conseguem controlar a quantidade ou o tipo de chocolate que está comendo. Em conversa com o Portal A TARDE, ela afirma que a primeira experiência com o derivado do cacau foi na infância, quando acordava de madrugada escondida para comer os chocolates que o irmão vendia.

“Eu cheguei a apanhar por causa disso. Meu irmão era ambulante e, uma vez, comi quase todos os chocolates da caixa que ele vendia. Não consigo me controlar, ou como tudo ou não como”, diz.

Além disso, Cleane também alega não se controlar com o tipo de chocolate. “Tem momentos que eu exagero. Por exemplo, tem chocolates que não são feitos para comer direto, como a barra para derreter. Eu comprei uma vez essas barras para derreter e fazer cobertura e não aguentei e comi vários pedaços direto na barra”, confessou a chocólatra.

Cleane Lima é chocólatra e começou a comer doces quando criança | Foto: Reprodução | Instagram
Cleane Lima é chocólatra e começou a comer doces quando criança | Foto: Reprodução | Instagram

Segundo o médico, pós-graduado em Nutrologia, Fellipe Guimarães, existe chocolate menos saudável e mais saudável, principalmente quando se observa a quantidade de açúcares e gordura vegetal hidrogenada.

Fellipe também alerta para a necessidade de saber a origem do produto, porque podem existir outras questões perigosas para a saúde.

“Além do açúcar e gordura vegetal, algumas empresas conseguem sujar mais ainda o chocolate colocando muitos conservantes, realçadores de sabor, enfim, aditivos industriais. O ideal é a gente fugir o máximo possível disso”, adverte o médico.

Fellipe destaca que estes produtos industrializados podem afetar o intestino e causar outros problemas. “Eles podem gerar agressão ao intestino. Esta agressão desvia também a atenção do sistema imunológico para este intestino, para se defender das coisas estranhas presentes no chocolate, fazendo que o sistema imune fique hiperreativo”, explica.

Nutrólogo Fellipe Guimarães alerta para chocolates 'sujos' com conservantes | Foto: Divulgação
Fellipe Guimarães alerta para chocolates ‘sujos’ com conservantes | Foto: Divulgação

A nutricionista das Clínicas Clivale, Izabela Dias, aponta que para ser considerado um chocolate de boa qualidade é preciso que se verifique a concentração do cacau no produto, sempre priorizando o consumo de chocolates acima de 70%.

“Um chocolate de boa qualidade tem na sua composição apenas o cacau, manteiga do cacau e, a depender da porcentagem, a adição de açúcar”, comenta Izabela.

A nutricionista também destaca que não basta olhar apenas uma composição dos produtos, mas várias. Para isso, ela exemplifica com o chocolate branco. “O chocolate branco é produzido a partir da manteiga do cacau, mas é riquíssimo em açúcar e gorduras ruins”, completa.

História inusitada

Cleane Lima chegou a apanhar por comer chocolates que irmão iria vender

Izabela recomenda como ideal o consumo de chocolates acima de 70% e cerca de 30 gramas ao dia. Já Fellipe destaca que o consumo de chocolate pode ser variável e depender da pessoa.

“Se for obeso, com resistência a insulina, não dá para ser bem tolerado. Porque estimular picos de insulina nessa pessoa vai prejudicá-la, fora todas as questões dos contaminantes que vai gerar agressão ao intestino”, comenta Fellipe.

Nutricionista Izabela Dias recomenda ingestão de chocolate 70% cacau | Foto: Divulgação
Nutricionista Izabela Dias recomenda ingestão de chocolate 70% cacau | Foto: Divulgação

Ambos profissionais concordam que a ingestão em excesso de chocolate pode acarretar diversos problemas de saúde que não necessariamente estão ligados à obesidade.

A nutricionista Izabela Dias adverte para a possibilidade de enxaquecas, coceiras e desconfortos gástricos, como gases, distensão abdominal e diarreia. O médico Fellipe Guimarães também adverte para a possibilidade do chocolate agravar doenças autoimunes ou alergias.

Issa Chocolates produz doces o ano inteiro, principalmente em datas comemorativas | Foto: Caio Issa | Divulgação
Issa Chocolates produz doces o ano inteiro, principalmente em datas comemorativas | Foto: Caio Issa | Divulgação

Se consumido com moderação, o chocolate pode ser bem aproveitado, tanto para quem vende, quanto para quem consome.

“É muito legal saber que as pessoas estão curtindo e compartilhando momentos felizes através dos nossos produtos. Acredito que essa seja a nossa maior motivação. Através dos nossos produtos feito de chocolate, concretizamos momentos saborosos e alegres na vida das pessoas”, comenta a gerente da Casa Bauducco em Salvador, Maíra Sanches.

“Ter um dia para comemorar o dia do chocolate é bom, mas o melhor mesmo é ter chocolate para comemorar todos os dias”, completa Camile Issa, da Issa Chocolates.

Com bom humor, a chocólatra Cleane Lima deixa um recado: “Chocolate foi feito para comer e eu vou continuar comendo. Não prometo com moderação, mas sempre comendo chocolate”.

TIPOS DE CHOCOLATE

Chocolate ao leite: sem quantidade significativa de cacau, o chocolate ao leite não traz benefícios à saúde. E os exageros são perigosos.

Amargo: o chocolate com, no mínimo, 70% de cacau tem efeitos anti-inflamatórios, propriedades antioxidantes, atividades antiplaquetárias, com melhora da função vascular e, além disso, está ligado, segundo estudos, a uma melhora na disposição, funcionamento cerebral e redução da vontade de comer doces.

Meio Amargo: com concentração significativa de cacau (acima de 40%), esse chocolate tem mais açúcar que a versão amarga, mas também traz benefícios antioxidantes.

Branco: produzido com manteiga de cacau, a gordura obtida das sementes durante a fabricação do chocolate, esse chocolate é mais calórico e rico em gorduras. Mas cuidado, alguns chocolates brancos sequer têm cacau na composição.

Diet: os chocolates Diet também apresentam um risco, pois trazem maior quantidade de gordura. Seu consumo deve ser indicado para quem tem diabetes e, mesmo assim, verificando o rótulo.

Com oleaginosas: apesar de adicionar mais calorias ao chocolate, as castanhas, nozes, avelã e o amendoim, entre outros, são ricos em ômega 3, que favorecem o sistema circulatório e melhoram a qualidade da circulação, porque esse ômega diminui o colesterol ruim e aumenta o colesterol bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar